NOTÍCIAS

Palavra do Presidente: Economia X Quarentena

Data: 09/04/2020

A crise do Coronavírus Covid-19 afeta não apenas a segurança física e psicológica da população, mas de forma decisiva as atividades econômicas.

 Promover o equilíbrio entre a proteção da saúde e da economia é agora a grande missão do país. Não é uma decisão fácil, mas necessária e na opinião dos técnicos de saúde dos governos municipal, estadual e federal, o isolamento social é de extrema importância para que não haja a disseminação sem controle da Covid-19. Estamos enfrentando a angústia de ficar em casa e as diversas alternativas que encontramos para driblar essa quarentena, prorrogada até o dia 22/04, há também a preocupação com a economia, onde muitos empreendedores estão ansiosos em poder voltar a abrir suas lojas, porém, a principal preocupação do momento é com a saúde e a vida. Não está sendo fácil para nenhuma empresa, independente do seu porte. A cada dia que passa, o perigo do coronavírus se torna maior, e isso ameaça a sobrevivência de qualquer negócio. Ninguém sabe o que vai acontecer, mas é certo que não podemos parar. Esta é uma situação que jamais vivemos, por isso estamos buscando soluções, parcerias para fortalecer a todos os empresários para o desenvolvimento futuro.

Estou extremamente preocupado com o setor de comercio varejista, serviços, entretenimento e turístico, que estão se sacrificando e não sabem até quando conseguirão suportar. Aconselho para os que os quais terão dificuldades de como agir diante deste momento delicado da economia façam um diagnóstico de todas as despesas e receitas dos próximos meses, reavaliem os preços X valores. Este levantamento vai ajudar o você empresário a enxergar o cenário da sua empresa e a tomar as melhores decisões e mais, a reorganização financeira vai além da empresa e também deve ser feita com as despesas da casa, pois atrás de todo empreendedor tem uma pessoa com família e este planejamento também é de suma importância.

Por outro lado questiono, onde o funcionalismo público dos poderes legislativo, judiciário, entre outros, que até agora não se sacrificaram ou cederam parte de seus grandiosos proventos para contribuir com este momento de gravidade econômica e social. Ressalto que o Poder Público não gera receita. Os empresários e os trabalhadores são os principais pilares para a roda da economia girar e devem ser respeitados como merecem, com medidas que realmente os beneficiem.

A Associação Comercial e Empresarial de Socorro está em constante contato com o Poder Público Municipal, e com o apoio da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), no âmbito estadual, solicitando medidas que favoreçam os empreendedores de pequeno, médio e grande porte. Enviamos solicitações ao poder publico municipal, estadual e federal e as concessionárias Sabesp e CPFL. Paralelo a isso, estamos criando condições e alternativas para auxiliar todos neste momento de quarentena, onde a criatividade do delivery, a divulgação nas redes sociais e em um atendimento online de qualidade é o que fará a diferença para minimizar os prejuízos.

 

André Orlandi Marchese

O momento é de luta! Uma luta em que ficamos dentro de casa, deixando que as entidades de classe, como a ACE Socorro, façam o seu papel de defender os empresários e os representar perante o Poder Público.

 Que este seja um momento de reflexão, replanejamento e, muito mais do que isso, continuar fazendo o nosso melhor, dentro do que podemos, crendo que logo tudo isso passará. Peço a união para continuarmos a ter a representatividade que exercemos e tenho a certeza que iremos superar esta crise e sairemos mais fortalecidos e unidos.

Venceremos mais essa! Deus esteja com todos!

Sobre a Associação: A Associação Comercial e Empresarial de Socorro, entidade de classe sem fins lucrativos, foi fundada em 23 de agosto de 1984 e tem o objetivo de unir e defender os interesses do empresário local, além de representar seus associados em prol do desenvolvimento da cidade. O quadro associativo da ACE Socorro reúne empresários de todos os setores da economia.

 

 

 


<< Voltar